Alguém para se inspirar: Renato Fonseca

Ao ser perguntado como é ser esportista de atletismo, o Analista de Negócios da In Forma, Renato Fonseca, se orgulha dizendo que é saber que existem barreiras que foram feitas para serem superadas. Isso torna-se ainda mais desafiador, quando falamos de um paratleta. Ao nascer, acidentalmente, Renato teve o braço quebrado na hora do parto, e só depois de alguns dias descobriram a falta de movimento no braço direito. Os exames acusaram que a quebra e o rompimento das fibras nervosas ocasionou a paralisia dos movimentos do braço.

“A paixão pelo atletismo começou aos 13 anos, quando praticava na escola o salto em altura, salto em distância e 110m com barreiras. Aos 17 anos, conquistei o título de campeão brasileiro no JEB’s (Jogos Escolares Brasileiros) na prova de salto em altura, minha modalidade principal”. Logo após a conquista, precisou deixar o atletismo um pouco de lado para se dedicar ao vestibular. Em 2014, ao reencontrar um amigo que era técnico de atletismo e Diretor da AAPD (Associação de Apoio à Pessoa com Deficiência) que ele decidiu encarar o desafio de competir como paratleta.

Ele mantém um cronograma intenso de treino, o que apenas comprova a dedicação e importância do esporte em sua vida. Acorda cedo todos os dias para correr e trabalhar a coordenação e força na areia da praia. E não dispensa os treinos quinzenais aos sábados, quando faz o trabalho técnico na pista do Centro Esportivo Santos Dumont. “O prazer de praticar o esporte e participar de competições é ver o quanto podemos ir mais longe do que pensamos. O atletismo traz vários benefícios para mim, tanto na superação, quanto no bem-estar e até mesmo em meu trabalho, proporcionando mais disposição, concentração, determinação, persistência e, principalmente, ao ensinar que eu não devo temer os desafios”, comenta Renato.

Seu currículo esportivo é extenso. Atualmente, está entre os melhores no ranking do Nordeste e do Brasil. Recentemente, participou como atleta da AAPD de uma das competições paralímpicas mais importantes do país, o Circuito Brasileiro de Paratletismo Regional N/NE. Nela, conquistou o primeiro lugar em salto em altura e ficou em terceiro no salto triplo. “A AAPD é uma ONG cujo objetivo é auxiliar pessoas deficientes na inclusão social, com a prática do esporte. Minha atuação é buscar recursos para os atletas que não tem condições financeiras, falta tênis para treinar, roupas e até mesmo comida. Apesar das dificuldades, os atletas têm conseguido excelentes resultados no circuito nacional e internacional. É gratificante ver os resultados”, comemora.