In Forma debate e compartilha experiências sobre uso do Big Data no setor elétri

Última alteração: 9 de Novembro de 2018 às 15:34

A In Forma tem se dedicado no estudo da aplicação do Big Data na infraestrutura do setor de energia, explorando os caminhos para beneficiar seus clientes com estas novas alternativas tecnológicas. Recentemente, o CEO da In Forma, Ismar Kaufman, participou de eventos com abrangência local e internacional, para debater as possibilidades de uso do Big Data e apresentar como a In Forma está inovando nesta área. De acordo com Ismar, este ainda é um tema novo e poucas empresas do setor estão apostando na técnica para a valorização dos seus ativos de dados.

“A In Forma não vai esperar que as tecnologias estejam amadurecidas e disponíveis comercialmente para oferecê-las ao mercado, estamos investindo em conhecimento para oferecer imediatamente aplicações inteligentes de Big Data que preencham lacunas operacionais, táticas e estratégicas, que reduzam erros e promovam mais eficiência na gestão de ativos”, explica ele.

Durantes as palestras realizadas no Seminário Smart Grid – Cigré, evento internacional e de grande importância para o segmento, e no Comitê de Energia Infraestrutura e Energia da Amcham Recife, Ismar chamou atenção para o atrasos dos setores regulados nesse campo. “Outros setores da economia como o mercado financeiro e o comércio varejista estão mais adiantados nesse assunto. A oferta de utilidades reguladas como energia, água, saneamento, transportes e outras não deveriam estar tão atrasadas, visto que têm impacto transversal na produtividade geral da economia”, ressaltou.


Nas ocasiões, o CEO debateu sobre as diversas aplicações diretas do Big Data como, por exemplo, redução de perdas, antecipação de falhas, planejamento da expansão e previsão de insumos (hidrologia, combustíveis, ventos, etc). Para ele, tratar grandes volumes de dados, de fontes e formatos variados com modelos e tecnologias que viabilizem fazer isso na velocidade adequada e com confiança nos resultados, é capaz de modificar o desempenho e a confiabilidade das fontes e da rede de transporte e distribuição da energia elétrica. “De todos os benefícios, os maiores ganhos estarão nas iniciativas mais criativas nascidas de problemas reais resistentes às soluções determinísticas tradicionais”.

No Seminário Cigré, com os participantes eram muito especialistas do setor elétrico, a discussão foi focada na relação entre a chegada das tecnologias de Smart Grid em paralelo com crescente aplicação de analítica e sensibilidade a contexto. “Aparentemente, há muito interesse no tema e a abordagem que a In Forma está desenvolvendo encontra eco nas ansiedades do setor elétrico brasileiro”.

Já no evento local do Comitê de Energia, o CEO constatou uma preocupação generalizada de que o país corre o risco de ficar para trás se não acompanhar o ritmo mundial de desenvolvimento e aplicação de tais tecnologias. “Nosso atraso não apenas afetará a rentabilidade e a saúde das empresas como também a empregabilidade das pessoas. Aparentemente, todos querem entrar no trem, mas poucos sabem onde está o guichê para comprar os bilhetes”, finaliza Ismar.

A In Forma vem explorando o uso do Big Data em duas frentes interligadas. Para os que já são clientes do EquipMaint ou que estão aderindo ao software atualmente, a proposta é enriquecer o EQM com novas capacidades de interação que reduzam erros, aumentem a segurança operacional e regulatória e promovam eficiência na gestão de ativos.  “Em geral, serão funcionalidades baseadas em inteligência artificial, especialmente aquilo que se conhece por sensibilidade ao contexto”, explica o CEO. Já a segunda frente, é voltada ao mercado internacional, com o propósito de adotar tecnologias de Big Data e analíticas para oferecer aplicações inteligentes que preencham lacunas operacionais, táticas e estratégicas que os grandes sistemas estruturados não são capazes de atender.